Header Ads

ad728
  • Extra! Extra!

    Elena Ferrante revela detalhes de seu processo criativo em novo livro de não ficção

    É dos antigos cadernos de escola primária que Elena Ferrante resgata suas primeiras lembranças de escrita. Naquele período, como toda criança, ela foi ensinada a escrever respeitando o espaço delimitado pelas linhas pretas horizontais e pelas duas margens vermelhas verticais ─ uma à esquerda e outra à direita ─ de cada página. Não demorou para o seu gosto por organização ser desafiado pelo ímpeto de dissolver as margens que aprisionam a escrita e a própria natureza feminina. Em As margens e o ditado, que chega às lojas pela Intrínseca, uma das vozes mais instigantes da literatura contemporânea fala sobre a própria jornada como leitora e escritora, além de oferecer um raro olhar sobre as origens de seus caminhos literários. O novo livro de Ferrante será lançado amanhã (4 de janeiro), coincidindo com a estreia da série A vida mentirosa dos adultos na Netflix, baseada no romance anterior da autora.

    As margens e o ditado reúne três palestras, interpretadas pela atriz Manuela Mandracchia, por ocasião das Umberto Eco Lectures, e um ensaio composto para o encerramento da Conferência de Italianistas sobre Dante, lido pela estudiosa e crítica Tiziana de Rogatis. Nos textos, não faltam menções a algumas das principais referências literárias de Ferrante, em especial mulheres, como Virginia Woolf, Emily Dickinson e Gertrude Stein. Ela também cita livros que a inspiraram na hora de criar algumas das protagonistas que marcaram sua obra, além de contar como criou e quais as motivações de suas emblemáticas personagens Lenù e Lila, deixando pistas do quanto as duas incorporam o próprio dilema da literatura para a autora.

    Além de discorrer sobre suas lutas e sua formação intelectual, Ferrante descreve os perigos do que ela chama de “língua ruim” e sugere maneiras pelas quais a tradição há muito excluiu a voz das mulheres. Partindo de suas brilhantes reflexões a respeito dos trabalhos de autoras notáveis, ela propõe, então, uma fusão do talento feminino.

    Entre os muitos detalhes de seu processo criativo, Ferrante também trata da questão da narração em primeira pessoa e de seu fascínio pela observação atenta do mundo que a cerca. Em seu conjunto, as três palestras (A caneta e a penaÁgua-marinha e Histórias, eu) e o ensaio (A costela de Dante) dão corpo a um livro ao mesmo tempo sutil e potente, com as reflexões e angústias que atravessam a obra de uma das autoras mais consagradas da atualidade. As margens e o ditado trata de aventuras na literatura, sejam elas dentro ou fora das margens.


    AS MARGENS E O DITADO, de Elena Ferrante

    Editora Intrínseca
    Tradução: Marcello Lino    
    Páginas: 128
    Livro impresso: R$ 39,90
    E-book: R$ 26,90

    Nenhum comentário

    "Legalmente Loira - O Musical" chega ao Brasil estrelado por Myra Ruiz

    Baseado no livro de Amanda Brown e adaptado para os cinemas em 2001, o grande sucesso de público  Legalmente Loira  ganhou os palcos da Broa...